Orange is the New Black

Orange is the new Black é conta a história de uma loirinha perfeita que vai casar com um escritor com potencial – até que os dois descobrem que ela vai ser presa. Nos próximos 15 meses, Piper (a loirinha) vai enfrentar a realidade quase paralela de uma prisão federal, com todos os problemas de assédio sexual, burocracia e corrupção que o sistema penitenciário pode oferecer, mas essas serão suas menores preocupações.

A série tem altos e baixos surpreendentemente fluentes, e não há aquele sentimento de chavão mexicano a cada topada da personagem principal, que age de uma forma completamente natural ao proposto. Claro, os estereótipos e estigmas são presentes, mas não atrapalham o mergulho que é entrar na vida de todas aquelas presidiárias.

O maior acerto da série, sem sombra de dúvidas é mostrar o background de quase todas personagens que aparecem na série, fazendo você se identificar e, em boa parte das vezes, torcer por elas, enquanto a trama se desenvolve e as personagens evoluem.

É um: com certeza, assista!


Orange is the new Black é uma série Netflix.

Num tempo em que Chorão é lembrado como ídolo do rock e Tico Santa Cruz é o auge da revolta nacional, enquanto bandas populares estragam uma ideia que seria muito legal, de compor uma música colaborativamente através das redes sociais;

Numa época em que artistas fazem músicas sobre as manifestações depois delas acontecerem tentando ganhar uns trocados a mais pagando de engajados numa causa que nem mesmo sabem qual que é direito;

É legal ouvir novamente algumas músicas como essa do Titãs, tipo essa:


Desordem foi composta lá pros idos de 1988, e essa regravação foi pro Volume Dois, lançado 10 anos depois. O legal de Desordem é que ela é meio atemporal – a crise da música não é com um político específico, ou exatamente só com a política, como um quadro de vida do ser humano, mas praticamente com a condição humana, natural de fazer merda com os outros, e ao mesmo tempo, dá um suspiro de alívio “mas sempre haverá, graças a Deus, quem acredite no futuro”.

Quem quer manter a ordem?
Quem quer criar desordem?

É seu dever manter a ordem?
É seu dever de cidadão?
Mas o que é criar desordem,
Quem é que diz o que é ou não?