boo


Ciúmes é uma coisa engraçada. Tem aparência de bonitinho, quem sente sempre diz que é uma forma de amar, e às vezes, é até uma consequência obrigatória de amar. Ciúmes é uma coisa fofa, que nos faz desconfiar e duvidar da pessoa que a gente ama até a última instância (e sempre guardar os casos na memória).

Até porque, de fato, ciumentos confiam nos seus respectivos cônjuges e namorados. Só não confiam no senso de normal deles, nem no senso crítico de amizade que eles têm. Ciúmes é uma insatisfação gostosa, uma maravilhosa sensação de achar que a pessoa que amamos é profundamente retardada por não ver o óbvio, ou quiçá, cretina, por estar se aproveitando de uma situação e se fazendo de besta.

Ah, o ciúmes. Como é bom ser ciumento, acreditar que nosso relacionamento é perfeito (desde, é claro, que a pessoa saiba fazer exatamente o que queremos, da forma que queremos e quando queremos).

O ciúmes nada mais é do que a nossa derradeira tentativa de não se meter no problema dos outros. A última chance que temos de acreditar que todos os outros seres humanos são frios e babacas, e nós somos pobres inocentes azarados em matéria de amor. Afinal, se ele(a) está de conversinha com outra pessoa, é claro que está nos traindo ou fazendo algo que não poderia fazer na minha frente.

Ciúmes é uma coisa maravilhosa. É o que nos deixa distante daquela pessoa que juramos amor eterno (desde que…) e que nós queremos pra sempre na nossa vida (até que…) porque no fundo, no fundo, não queremos mesmo depender de ninguém.

Afinal, crescemos acreditando que os outros só servem para zoar conosco.

Ciúmes, a coisa mais gostosa.

Categoria: Opinião
42 views