Se criticar era underground e hoje é moda; o underground hoje é criticar os críticos; não importa se a crítica procede ou não, se ela é boa ou ruim, ou quais os argumentos ou mesmo se há argumentos.

Criticar alguma coisa que eu gosto ou faço parte se tornou igual a me criticar. A faculdade que estudo, o curso que eu faço, as músicas que eu ouço, a denominação religiosa que frequento, eu estou de tal modo envolvido com tudo isso que não consigo receber as críticas.

Mas porquê essa rebeldia de repente com as críticas? Não conseguir receber e responder uma crítica não tem a ver, na verdade, com a minha ligação ao fato – mas com meu conhecimento sobre ele.

Quando alguém fala mal da minha religião, da minha igreja ou do meu curso e eu me revolto, é porque, na verdade, quem tem conhecimento superficial sobre ela sou eu. Se eu tivesse conhecimento (ou pelo menos buscasse tê-lo), eu não seria tão defensivo, tentando defender cegamente a perfeição daquilo que faço; mas elucidativo, ensinando e demonstrando o porquê de fazer aquilo, e daquela maneira.

Afinal, não há nada de errado em ser confrontado. Ou em mudar de atitude. Só não vale ser cabeça dura e estragar a discussão.

Criticar é moda?

Categoria: Opinião
0
45 views

Deixe uma resposta