É fácil proibir a imoralidade. Votar e aprovar leis pela moral e bons costumes, até o Rio de Janeiro fez isso logo antes do Carnaval, e até então tudo continua na mesma coisa. A excelentíssima deputada Myrian Rios fez isso e foi dormir tranquila, com o coração leve de quem tinha acabado de salvar o mundo, enquanto para além dos muros de sua pacata residência tradicional, nada tinha mudado – simplesmente por não ter o que mudar, conforme eu analisei a lei jurididicamente.


Os cristãos parecem ter perdido o foco, não sei se é algo que tem a ver com essa geração como uma coisa inteira e mais ampla, além de cristãos ou se é só um ensino teológico deficiente mesmo. Assim como Malafaia não sabe contar as referências de Cristo à céu e inferno, conseguindo o impressionante feito de falar bobagens cientificamente, teologicamente e linguisticamente em uma só entrevista, parece que a grande maioria cristã não sabe, ou se perdeu do foco de Jesus.

A luta de Jesus não era contra o pecado. Os cristãos se isolaram em bunkers e criaram exércitos de Jesus que desfilam com suas roupas estilizadas e diferenciadas assim como jovens militantes de uma causa maior que sabem que são melhores que os outros. Assim como as crianças do mundo criado por George Orwell em 1984, buscam limpar a sociedade dos erros, mas da maneira equivocada, combatendo as consequências, não as causas. O pecado é consequência da crise, e não a crise consequência do pecado.

A luta de Jesus não era contra o pecado. Essa luta é nossa. É minha, é sua, é individual. Mas você só pode lutar contra o seu pecado, não contra o pecado do seu irmão – você pode pedir ajuda, vocês podem orar juntos, ele pode te ensinar, te mostrar e te dar o grito na última hora, mas ele não pode te proibir de cometer o erro. Até porque evangelizar não é arrancar o pecado dos outros – se fosse, nenhum cristão teria sido de fato evangelizado, já que todos pecam (assim, estou falando por mim, claro).

A luta de Jesus não era contra o pecado. Jesus não veio ao mundo morrer para simplesmente exterminar o pecado de nossas vidas. O fim do pecado não é o objetivo de Cristo, e, se você tem lido a Bíblia segundo essa premissa, você não entendeu muito bem o significado do livro que você carrega. O fim do pecado é consequência do que Cristo te oferece.


Jesus veio pra livrar os homens de si mesmos – de suas crises. Jesus veio nos libertar de nossas crises. Tanto faz se tal comportamento, ou tal atitude, ou tal orientação é pecado ou não. Jesus não veio pra você deixar de ser cretino, mentiroso ou babaca. Jesus não veio declarar que os demônios não tem mais poder sobre sua cidade. Jesus não veio pra libertar você de suas doenças físicas ou psicológicas. Jesus não veio te trazer alegria, dinheiro ou tudo que você quiser (sim, a Xuxa estava errada, mas acho que isso todo mundo já sabia).

Jesus veio pra te dar algo maior que isso tudo. Jesus veio te libertar de todas as suas crises – e com isso te apresentar um novo jeito de você viver sem precisar de sofrer todos os momentos. Jesus veio te libertar dessas crises pra que você possa viver plenamente sem o pecado. Pra que você possa, finalmente, ver a criação e admirá-la. Com todos os problemas, todos os surtos, todas as dores de cabeça, mas com uma visão diferente. De que o pecado é algo totalmente dispensável da sua vida, e que você pode viver sem ele – e sem mais uma série de coisas que pode ser ou não pecado.

"Eu não vou mais pecar Eu não vou mais pecar Eu não vou mais pecar Eu não vou mais pecar Eu não vou mai..."

Tanto faz se roubo, mentira, adultério, jogar lixo no chão, usar drogas ou transar sem camisinha é pecado. Jesus não veio pra te passar um caderno de caligrafia e te fazer escrever no quadro cem vezes o que é certo e o que é errado. Ele veio pra muito mais do que isso.


Ele veio pra te libertar, e Ele morreu pra que você possa ser pleno. Pare de fazer justiça em nome de Jesus. Nem Ele nem a sociedade precisam da sua justiça.

Jesus não veio combater o pecado

Categoria: Igreja
43 views