Pode ser meio doentio, mas eu me reconheço em algumas letras do Johnny Cash, e mesmo que ele tenha sido um cantor gospel (sim, Johnny Cash também cantou música gospel) além do usual para a época, e com certeza, para hoje, eu me reconheço algumas das letras mais depressivas dele. Em hurt, por exemplo, eu reconheço boa parte do meu relacionamento com Jesus, principalmente quando eu caí em mim logo antes de pastorear um grupo de jovens – e graças a Deus que foi antes disso.


Porque muitas vezes eu me sentia tão plástico que me enganei várias vezes (Hoje machuquei a mim mesmo / Para ver se ainda sinto) tentando lembrar de como é ser uma pessoa normal, tão envolvida com uma aura de santidade (Eu uso essa coroa de espinhos / Sobre meu trono de mentiras / Cheio de ideias partidas / Que eu não posso consertar) e ainda hoje me sinto meio assim.

Como se os textos que eu escrevesse e as ideias que eu debatesse fossem muito longe do que é possível para mim, e é como se tudo desmoronasse (O que eu me tornei, meu mais doce amigo? / Todos que eu conheço vão embora / No final), todos o meu império de poeira caísse na minha frente.

E volta e meia eu tenho a plena convicção: Eu vou te desapontar / Eu farei você sofrer. Porque quem pregou Cristo na Cruz fui eu. Foram os meus pecados que atravessaram a sua pele, e O separaram do Pai. Mas Ele continua aqui, fiel a mim. Se eu pudesse começar de novo / Eu encontraria um jeito. E Ele me dá esse jeito, essa oportunidade.

Johnny, Johnny. Como eu me reconheço em você?

Categoria: Sem categoria
80 views