Encontrei um pastor/missionário há alguns dias atrás, quando estava organizando um evento da help!, e ele sentiu que precisava me dar uma bênção. Aprendi há muito tempo que bênção não se recusa, e depois de algumas conversas no debate help!, resolvi dar a cara pra bater, e sentei-me com ele.


Ah, se eu soubesse como eu tinha sido profeta no dia anterior (afinal minha palavra tem poder, amém, Igreja?) , quando twittei que algumas pessoas só serviam para reforçar preconceitos! Foi muito impressionante tudo que aconteceu, e foi este um dos primeiros momentos nessa viagem que eu tive a convicção de que eu precisava fazer um curso de teologia.

É impressionante como a falta de interpretação de texto traz alguns erros de hermenêutica bíblica que nenhum seminário, curso ou faculdade vai curar – afinal, se hermenêutica é a interpretação da bíblia como um sistema, e a pessoa não consegue nem interpretar duas frases em conjunto, quem dirá um livro tão complexo e cheio de detalhes como a Bíblia?

Daí surgem determinações, palavra tem poder, você é um novo homem que merece tudo, toma posse, sacode a poeira e pisa na cabeça do diabo, não brinca com Deus, o inimigo é perigoso, amarra, afoga e batiza no Espírito Santo pra falar em línguas, traz pra igreja, vem pra igreja, seja igreja, dízimo profético das primícias, labashurias no twitter, canta que os males espanta, cabeça vazia é oficina do tinhoso e tantas outras coisas que se tornaram comuns no dia-a-dia protestante cristão evangélico que a gente não sabe nem por onde começar a expulsar os demonhos.

Sinto falta dos que queriam ensinar essas pessoas, e não criticá-las. De discípula-las, e não marginalizá-las. Gastar tempo quebrando doutrinas vazias e sem fundamento, e não rindo. Sinto falta de querer ser assim.

Seminário nenhum substitui um ensino médio bem feito.

Categoria: Opinião
0
118 views

Deixe uma resposta