Quando Jesus fez eventos com 5 mil pessoas, quando Paulo pregou para multidões e todos os discípulos e apóstolos curavam milhares e milhares, poucos realmente entendiam o que significava tudo aquilo. Eram como crianças, que se sentiam bem vivendo em comunhão, mesmo sem saber o que significava aquilo.

Jesus animador de auditório "Então gente, olha pro irmão do lado..."

Porém, como Paulo mesmo disse, existe a hora de crescer – de adquirir responsabilidades e, principalmente de começar a mastigar, por mais que isso possa ser incômodo no começo.

"Você viu que o Fulano está pintando a barba?" "Meu Deus, será que funciona?"

Por não entender o que era igreja, aquelas pessoas que Paulo e Apolo batizaram começaram a dar problemas (1 Cor 3), envolvendo-se em discussões, intrigas e confusões. Não pense que eram diferentes das de hoje. Foram indiretas dentro de rodinhas de conversa, assuntos declarados na ausência de uma ou várias pessoas, sobre seu modo de vida, suas escolhas e tudo que acontece hoje no Twitter e Facebook. Além, é claro, das reuniões de ceia.

Paulo escreveu várias cartas às igrejas e às lideranças das igrejas que formou exatamente para suprir essa falta de convivência. Nelas, Paulo não somente ensina – mas ele diz como vai a vida, que sente saudades, e tudo o que aconteceu com ele e fatos que possam ser interessantes e que fizeram-no lembrar daquela igreja. Paulo escreve como amigo.

Na verdade, Jesus fala como amigo. Jesus vai jantar na casa de Zaqueu, e só fala do Reino de Deus, depois do jantar. Passaram-se várias fases da amizade até que Jesus fale do Reino.

A cara do RézDanéz, depois de comer Zaqueu.

Primeiro, Jesus conheceu a Zaqueu – até aí nada de novidade. Depois, Jesus ficou tão íntimo de Zaqueu, que se convidou a ir para casa dele (Lucas 19:5). Eu te pergunto – quem se convida pra ir na sua casa? Um melhor amigo, no mínimo.

Então, depois de ser amigo íntimo de Zaqueu… Jesus nada lhe disse, acerca do Evangelho. Foi só quando Zaqueu puxou assunto (Lucas 19:8), que Jesus começou a falar de Salvação. Até então, a conversa foi normal, entre dois homens que haviam se conhecido de uma maneira inusitada – maneira esta nada diferente do que dois twitteiros que, seguindo um ao outro, marcam de se encontrar, para discutir algumas ideias em comum.

Na verdade, Jesus debatia. A conversa com Nicodemos (João 3:1-21) prova isso. Argumentação, contra-argumentação, direto, debate com respeito. E é no debate, na troca de ideias, na conversa, nos jantares, que a intimidade nasce, e as perguntas sobre igreja aparecem – como apareceram para Nicodemos.

Como aparecem para mim, como aparecem para seus amigos, fora do Corpo. Mas eles não vão sair te ligando num dia à tarde, ou perguntando para um panfleteiro qualquer. Afinal, você está lá para isso.

"Já recebeu Jesus hoje, tia?"

Tá na hora de crescer.

Categoria: Igreja
0
86 views

Deixe uma resposta