Ele viajava, com uma mala a tiracolo
não tinha medo de perder os braços
não tinha medo de perder dois olhos
Tinha medo de perder as memórias

Oh, grande viajante cadê o seu amor?
Onde foi que você escondeu sua dor?
Pra onde é que vais com tanto ardor?
Que história é essa de buscar glórias?

Carregava dentro do casaco um relógio
ele não tinha medo de perder as horas
ele não tinha medo de perder as pratas
Tinha medo de crer, em coisas ilusórias

Oh, grande viajante vens de Salvador?
Aquela terra bonita que vive de calor?
Fora lá que deixaste aquele seu amor?
Porque silencias sempre nessas horas?

Cada pergunta respondia com um riso
e fugiu para o campo durante chuvisco
Sua feição séria, de quem corre riscos
e sempre sobrevive pra contar histórias

Oh, grande viajante cadê o seu amor?
Onde foi que você escondeu sua dor?
Pra onde é que vais com tanto ardor?
Que história é essa de buscar glórias?

Em todas vezes seu semblante fechava
revivendo o luto que toda noite voltava
em todas noites seu estômago revirava
com uma dor que supera todas vitórias

Oh, grande viajante vens de Salvador?
Aquela terra bonita que vive de calor?
Fora lá que deixaste aquele seu amor?
Porque silencias sempre nessas horas?

O sorriso dela em sua mente ecoou
muitas dessas lágrimas ele já secou
o peso do amor que ele não salvou
mas carrega a foto com dedicatória

Oh, grande viajante cadê o seu amor?
Onde foi que você escondeu sua dor?
Pra onde é que vais com tanto ardor?
Que história é essa de buscar glórias?

Vá, viajante, buscar sua redenção
quem sabe onde estará salvação?
tenhas tu também o meu coração
quem não busca suas palmatórias?


Viajante do esquecimento

Categoria: Sem categoria
0
51 views

Deixe uma resposta