Posso te contar um segredo? Eu não sou o que digo. Não, não, calma. Não é que eu tenha mentido sobre quem eu sou, é que eu não sou tudo que eu digo. Acho depois de algumas propagandas de escola de inglês, que diziam que você é o que você fala, ao mesmo tempo que algumas pessoas passaram a profetizar sobre suas próprias vidas, aceitando a mudança que elas seriam (talvez O Segredo tenha alguma influência sobre essa patotagem), outras começaram a desconfiar totalmente de tudo que se diz por aí. Não preciso nem falar que nenhum dos dois caminhos vão dar de cara com uma parede né? Pois é.


Parece que ou você precisa ser uma princesa da Disney e acreditar que tudo pode ser e é um conto de fadas, ou você necessariamente tem que ser aquele personagem mal-humorado de desenho animado, sempre de cara feia porque a vida nunca vai mudar e o lenga lenga do homem é o lobo do próprio homem.

Cara, você não é o que você fala. Você não é o que você veste, o que você come, o que você escolhe – você também não é o que você quer (mas pode até se tornar).

Nós fazemos escolhas a todo o tempo. Você escolheu levantar da cama, hoje. Escolheu clicar num link dentre tantos outros no facebook/twitter. Deu até uma chance pra esse amontoado de palavras e começou a ler esse texto meio sem sentido e com cara de evangelístico ou de auto-ajuda. É, a escolha é sua – e provavelmente você não é muito bom nelas.

Você vai se arrepender das suas escolhas. Do seu trabalho. De ter abandonado aquele primeiro namorico, ou de ter começado. De ter ido pra balada e bebido as três tequilas. Podia ter sido mais. Não precisava ser tudo isso. Toda decisão que você toma tem o seu lado ruim, e você está programado para tomar a decisão e então ficar vendo só o lado ruim dela.


Aí uma galera que fez uma péssima escolha e ainda tá viva pra consertar e contar a história

Se você sai do seu emprego para começar um novo negócio você não fica feliz por muito tempo – a troca pela liberdade, por fazer o que você gosta por estar crescendo logo logo é superada pela tensão dos impostos, a correria com fornecedores e clientes que você odeia e vai sentir saudades da estabilidade do seu antigo emprego, por mais medíocre que você sinta que ele seja.

Não se decepcione tão fácil assim consigo mesmo e com as outras pessoas. Você vai sempre tender a ver o lado negativo de tudo, e tem gente que realmente força isso de uma maneira que deixa dramaqueens comendo poeira. É claro que a vida não é fácil e você vai fazer péssimas escolhas com o tempo. Mas não é disso que se trata o viver? Buscar não recair nos mesmos erros ao mesmo tempo que tenta não se cometer erros novos?

A vida é tipo uma fase de SuperMario – no fundo, os problemas e crises são as mesmas, só muda o cenário e a intensidade. Afinal, você pode estar enfrentando o Bowser, depois de todas as fases secretas, todas as tretas, ter passado o mundo inteiro e se conhecer mais que ninguém, e saber das suas fraquezas, mas mesmo assim, voltar lá atrás numa fase mais simples pra ‘pegar a pena’ e perder a sua última chance. Aí você se lembra que poderia ter voltado um pouco mais naquela ‘fase’ bônus que você tem tudo o que quiser, sem precisar se arriscar, mas agora já era.


Vai fazer o que, chorar? Que nada, dá hard reset e começa logo do barro. Ou da Yoshi’s Island.

Você vai fazer péssimas escolhas: prepare-se para isso.

Categoria: Opinião
39 views