“Nós somos Deus para o mundo, refletimos Jesus para as pessoas. Nós somos o que Deus quer que este mundo seja.”

Afirma isso, com um punhado de panfletos na mão, enquanto atrás, pula uma criança com um saco de confetes que são jogados pra cima como um carnaval. Um pouco mais adiante, garrafinhas de água e latas de suco se acumulam pelo chão, proclamando o orgulho de uma vida de abstinência. Brados de vitória são dados, enquanto começam a chamar a banda atração da noite. Gritos histéricos quando o vocalista principal aparece, e como um transe, milhares de câmeras e celulares começam a disparar flashes e gravar vídeos – alguns com transmissão ao vivo pela internet.

CDs são vendidos em algumas bancas, junto com camisetas com o rosto do vocalista e o nome da banda, enquanto os panfletos que o rapaz segurava logo antes de falar comigo se juntam às latinhas no chão.

Olhando à volta, pode-se ver grupos, como tribos bem separadas – cada uma com seu uniforme, algumas até com faixas dizendo qual congregação pertencem (decerto para não se perder em meio à tanta gente). Não demora muito pros primeiros conflitos aparecerem, alguém empurrou alguém que não gostou muito.  Xingamentos, alguns olhares mais fortes, mas o grupo do deixa-disso aparece, e afasta os dois que tem ânimos exaltados.

Logo ali na frente, uma pessoa passa mal e desmaia – as pessoas que estão próximas se afastam, e ignoram os apelos de ajuda de um amigo que não consegue carregá-la sozinha, e ele tenta passar entre a multidão arrastando-a, pra procurar atendimento. Já se dá o aviso à segurança do evento que pelo menos meia dúzia de carteiras e três celulares sumiram dos bolsos que estiveram, enquanto uma menina mais nova chora sozinha por ter se perdido do irmão mais velho.

“É”, pensa o repórter que foi convidado a cobrir o evento, um pouco aliviado, embora sinta um peso no coração, que não sabe de onde vem: “as pessoas me diziam a verdade quando diziam que não precisava ter medo dos evangélicos. Eles são iguais a nós”

Um povo não tão diferente assim

Categoria: Contos de Domingo
0
98 views

Deixe uma resposta